medo-01

O quanto o medo nos domina? O quanto deixamos de ser a nossa essência?

Pensamos que estamos livres do medo, mas, estamos aprisionados nele. A triste população que vive no ter e se esqueceu de ser. Manipulada por processos rasos, que seriam avaliados de zero a um numa escala de excelência até dez e que são vendidos como a melhor solução para superar os vazios criados e implantados engenhosamente em mentes amedrontadas e inseguras, perpetuadas por muitos  e muitos anos na privação da essência da vida.

Vivemos um momento, no qual muitas pessoas perderam os valores fundamentais da vida em Sociedade, mas, continuamos querendo: ser felizes, seguros, saudáveis, plenos, afinal, o homem é um ser social, então precisamos aprender de novo a sermos, simplesmente humanos e  usarmos a nossa visão sistêmica para construir o que desejamos para nós, seja real, para os outros.

Não é raro, perguntamos para as pessoas:  Quais são os valores? O que as movem… e as pessoas ficam aturdidas ou enveredam para o ter. Os vazios gerados são preenchidos com coisas que são vendidas como extraordinárias, porém, de maneira sórdida, para diminuir o poder ímpar de cada pessoa de ser e pensar diferente; tristemente, as pessoas ´pensam que pensam, mas, apenas seguem. O sistema trabalha diariamente para alienar, mentir e esconder que somos humanos e que estamos aqui para expressar luz e não sombras. O sistema vende ódio e a solução é o amor, o primeiro amor por nós mesmos e se nos amarmos de verdade, enxergaremos a essência de tudo e este amor se refletirá no mundo.

Como trabalha o sistema?

Trabalha com o medo, com a falta e a carência das pessoas e com a abstração da espiritualidade, da família e dos valores. Trabalha com a ausência da verdade, com a mentira, mas, não com aquela mentira que é clara e desonesta, mas, com aquela que é subliminar, persistente, irreal, que copiosamente é infiltrada nas mentes amedrontadas e despidas de fé em si e nos outros.

 Como disse Sir Winston Churchill “Uma mentira dá uma volta inteira ao mundo antes mesmo de a verdade ter oportunidade de se vestir.”

Valores

Sabemos que os valores são subjetivos e sua escala de prioridade também, mas, numa Sociedade ao falarmos deles, podemos citar, alguns, que são fundamentais para a convivência social:

  • Moral, as leis, o que é certo ou é errado para viver em uma sociedade, com caráter normativo.
  • Ética, os princípios morais, alicerçados nos valores históricos e culturais da sociedade.
  • Autoliderança, a melhor consciente de si, nos faz mais forte para produzir ações de melhoras para si e para os outros.
  • Honestidade, a honra, o compromisso, a sinceridade, consigo mesmo e com o mundo. A transparência consigo e com os outros.
  • Liberdade, entendendo e respeitando que ela cessa, quando maltrata o outro e que se não tivermos medo, somos livres.
  • Igualdade, ninguém é melhor que o outro, se estivermos libertos do medo, nunca nos sentiremos mais ou menos que o outro, o único ídolo do ser humano é ele mesmo.
  • Servir, conseguindo ajudar autenticamente o outro, usando o que faz com amor para relacionamentos melhores, estamos libertos do medo.

E como estamos?

Poderíamos estar bem, se não houvesse a manipulação para aniquilar   a essência e substituir o ser pelo ter.  Ainda hoje, vivemos a explosão das mudanças e das inovações, gerando transformações fantásticas, mas, ao mesmo tempo assustadoras.  Fantásticas por terem o poder de serem desenvolvidas em escala e alcançar uma melhoria para muitos e assustadoras, exatamente, por não serem usadas com e a favor da humanidade e serem preparadas para afastar as pessoas da espiritualidade. Pessoas fortes em si mesmas, não tem medo.

Medo e Mentiras

Se olharmos os discursos que nos cercam, a maioria deles é baseado no medo, as palavras são fomentados milhares e milhares de vezes, e, as pessoas começam a repetir, incorporar nos seus discursos e vivem um medo absurdo, por algo que não existe. A manipulação é algo maquiavélico, pois, as pessoas não percebem, que estão indo em direção ao medo, a sombra e não a luz.

Enfim, como disse Mandela “Quando nos libertamos de nosso medo,
nossa presença automaticamente liberta as outras pessoas”. 

Somos responsáveis.

O ser humano é responsável pelo que conhece, pelo que faz com o seu conhecimento e por seus comportamento, tem de aprender com seus erros e melhorar continuamente; tem de ser congruente, tem de basear suas ações e  seus comentários nos fatos, usar suas palavras sabendo o que significam realmente, e, não repetir e fazer o que lhe falam, para isto é preciso ler muito, estudar muito. Ouvi recentemente, uma frase, de Tony Robbins em seu evento em SP, mais ou menos assim: “se durante o dia tiver de optar entre comer ou ler, prefira ler.” Ao ler sobre tudo, o ser humano está liberto e tem condições de identificar as verdades e as mentiras, se está sendo essência ou manipulação.

Mudanças

O ser humano tem de entender que as mudanças não são fáceis, que elas por certo farão sair da zona de conforto e que nem sempre faremos coisas que gostaríamos de fazer, mas, é necessário para manter a liberdade e o crescimento.  O passado já passou, não podemos consertá-lo, muda-lo, apenas ressignificar para viver o presente e assumir a estratégia para o futuro.

Se o medo, não nos domina somos essência, vivemos de acordo com os nossos valores, os nossos pensamentos e somos autenticamente livres, temos a gratidão por sermos únicos e nossas ações refletem a nossa essência no mundo.

Nunca se esqueça que “Quem combate monstruosidades deve cuidar para que não se torne um monstro. E se você olhar longamente para um abismo, o abismo também olha para dentro de você.” Friedrich Nietzsche

0